segunda-feira, 17 de março de 2008

Começos, meios e fins

A vida é uma formação de começos meios e fins, dos quais temos ao mesmo tempo todo o controle e controle algum.

Cada jornada que finda em nossa vida, inicia uma nova e intrigante etapa, cheia do desconhecido e do novo, do inusitado, do surpreendente. Repleta de anseios e decepções, dos altos e baixos que já estamos habituados, e daqueles que nunca imaginamos que iríamos viver um dia.

Quanto ao controle, na verdade temos controle sobre a nossa parte do mundo. Aquela que vemos, que interferimos. Temos controle sobre pouca coisa na verdade. Mas nos iludimos com a impressão de que podemos decidir o futuro. Mas acho que, depois de tanto tempo iludido com essa idéia recíproca, hoje eu dirira que a mais sábia decisão é não decidir. Negar-se do direito, ou dever, que lhe impõem as escolhas, e fazer dessa indecisão a sua mais frenética experiência de vida.

Assim, seus erros acabam por virar acertos em um dado momento futuro. Seja pela experiência adquirida, seja pelas reviravoltas do mundo. Seja pelo motivo que for, a regra é não deixar que alguma coisa ruim estrague tudo de bom que existe para viver. Se você acha que nada há de bom nessa vida, talvez é porque ainda não procurou no lugar certo, ou na hora certa. E mais, se estás à procura da hora certa ou do lugar certo, desista. Só vai encontrá-los quando parar de procurá-los. Eles vão até você.

Talvez agora que leu esses parágrafos, tenha conhecido um pouco mais de mim. Talvez não, mas o que importa é conheceres um pouco mais de você. A mim, deixe apenas os recados e as loucuras. O resto é por nossa conta.